TV NEWS

Empresa Gaúcha diz a fornecedores que irá reduzir orçamento em 30% caso Lula seja eleito; MPT investiga

Por Gê do Poa em 04/10/2022 às 15:51:16
Sede da empresa STARA do município de Não-Me-Toque no RS

Sede da empresa STARA do município de Não-Me-Toque no RS

Um comunicado da Stara, empresa de máquinas e implementos agrícolas sediada no município de Não-Me-Toque, no Norte do Rio Grande do Sul, endereçado a "fornecedor", sugere que reduzirá o orçamento em 30% em caso de vitória de Lula no segundo turno da eleição para a Presidência da República.

Em vídeo publicado nas redes sociais da empresa, o diretor Átila Sta­pelbroek Trennepohl confirma a veracidade do documento e diz que o comunicado foi "dedicado exclusivamente aos nossos fornecedores." Segundo Átila, a Stara é uma empresa que tem prática comum, todo segundo semestre, de realizar a projeção para o próximo ano e compartilhar com os fornecedores.

O caso é investigado como coação eleitoral pelo Ministério Público do Trabalho do RS (MPT-RS). De acordo com o órgão, a Procuradoria do Trabalho (PTM) de Passo Fundo instaurou um inquérito civil nesta terça-feira (4).

No comunicado, assinado pelo diretor administrativo financeiro Fabio Augusto Bocasanta, a Stara alerta sobre uma "instabilidade política e possível alteração de diretrizes econômicas no Brasil após resultados prévios do pleito eleitoral" — sem, entretanto, apontar quais seriam essas mudanças.

Em seguida, afirma que, "em se mantendo este mesmo resultado no 2º turno, a empresa deverá reduzir sua base orçamentária para o próximo ano em pelo menos 30%, consequentemente o que afetará o nosso poder de compra e produção, desencadeando uma queda significativa em nossos números". A circular encerra sem apresentar dados que corroborem as afirmações.

O MPT informa ainda que, ao receber a denúncia, encaminhou à empresa a notificação recomendatória oficial do órgão sobre coação eleitoral e entrou em contato com o sindicato da categoria. Foram também solicitados esclarecimentos à empresa.

O Ministério Público Eleitoral do RS informou que a "apreciação de eventual conduta irregular ou ilícita sob o ponto de vista eleitoral é, em princípio, de atribuição da Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE), em Brasília, por envolver a eleição para o cargo de presidente". A PGE em Brasília disse ao g1 que ainda não recebeu o caso.

Família doou para campanhas de Bolsonaro e Onyx

A empresa tem como sócio Gilson Lari Trennepohl, de 62 anos. Ele doou R$ 350 mil a Jair Bolsonaro (PL) e é um dos 10 maiores doadores da campanha do presidente.

Gilson Trennepohl também é vice-prefeito de Não-Me-Toque, eleito em 2020, na chapa com Maninho (União Brasil). Na ocasião, ele declarou um total de R$ 163 milhões em bens. Ao assumir, passou a direção da Stara ao filho Átila Sta­pelbroek Trennepohl.

Gilson também destinou outros R$ 300 mil à campanha de Onyx Lorenzoni (PL), o representante do PL, partido de Bolsonaro, no segundo turno da disputa pelo governo do RS, como consta no portal de divulgação de candidaturas e contas eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Já Susana Stapelbroek Trennepohl, esposa de Gilson e diretora financeira da empresa, doou outros R$ 100 mil à campanha de Onyx.

No mês passado, empresários do agronegócio enviaram veículos agrícolas para 'tratociata' de apoio a Bolsonaro em Brasília. Dois tratores que partiram de Formosa (GO) eram de propriedade da Elo Forte Máquinas, concessionária de veículos agrícolas da Stara.

Comunicar erro
TV NEWS

Comentários

Tia Carmen
Tia carmen