Caso Kiss: redes sociais repercutem desembargador chamando assistente de acusação de 'toupeira'; VÍDEO

Por Editor em 04/08/2022 às 09:40:22
Desembargador-relator, Manuel José Martinez Lucas, teria se referido assim ao assistente de acusação, advogado Pedro Barcellos. Julgamento terminou com o placar de dois votos a um por reconhecer parte das nulidades apontadas em julgamento ocorrido em dezembro de 2021. Quatro presos foram soltos na noite de quarta (3). VÍDEO: veja momento em que desembargador do TJ-RS chama advogado de 'toupeira'

Uma cena em meio ao julgamento da 1ª Câmara Criminal, que anulou o júri que condenou os quatro réus do caso da boate Kiss, repercutiu na quarta-feira (3) nas redes sociais. O desembargador-relator, Manuel José Martinez Lucas, teria se referido ao assistente de acusação, o advogado Pedro Barcellos, como "toupeira". (Veja acima)

"Passo a palavra ao advogado... do assistente de acusação... doutor Pedro... ah, é aquela toupeira", diz, sem perceber que o microfone seguia ligado.

Em seguida, ele passa a palavra ao advogado, que inicia a defesa das contrarrazões do Ministério Público sem esboçar reação à fala. G1 tentou contato com ele, mas não obteve resposta na manhã desta quinta (4).

A reportagem também procurou o desembargador Martinez Lucas, mas, até a última atualização deste texto, não havia obtido retorno.

A 1ª Câmara Criminal decidiu, por dois votos a uma, que o julgamento pelo Tribunal do Júri em dezembro do ano passado, que condenou os réus Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão, seja anulado. Os quatro réus foram soltos horas depois do julgamento dos recursos, ao longo da noite de quarta.

O voto do relator, desembargador Manuel José Martinez Lucas, foi vencido pelo dos desembargadores José Conrado Kurtz de Souza e Jayme Weingartner Neto.

Entenda:

Por que o júri foi anulado pela Justiça do RS

'É inacreditável', diz familiar de vítima do incêndio

Ministério Público recorre da anulação de júri ao STF

Réus são soltos após anulação de júri

Redes sociais repercutem desembargador supostamente chamando assistente de acusação de 'toupeira' em Porto Alegre

Reprodução/TJ-RS

Voto dos desembargadores

O relator, desembargador Manuel José Martinez Lucas, afastou todas as nulidades questionadas pelas defesas. Nulidade é uma sanção imposta quando um ato não cumpre as formalidades estabelecidas pela lei.

Entre os argumentos negados, foram os de que o juiz teria agido de forma parcial no júri, de que teria havido excesso de linguagem e quebra da paridade de armas entre acusação e defesas no uso de maquete digital pelo Ministério Público. Para o magistrado, um julgamento da magnitude como o da Kiss não poderia ser anulado por questões que não tiveram relevância para o resultado.

Já o desembargador José Conrado Kurtz de Souza votou favoravelmente a algumas nulidades. O magistrado mencionou o sorteio dos jurados e atos do juiz na condução do júri. Último a votar, o desembargador Jayme Weingartner Neto reconheceu cinco nulidades principais, a maioria em consonância com Conrado.

O alvará de soltura dos presos foi expedido momentos depois da decisão. Por volta das 20h10, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão deixaram o Presídio Estadual de São Vicente do Sul, na Região Central do estado.

Elissandro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, que cumpriam pena na Penitenciária Estadual de Canoas (Pecan), deixaram a prisão ainda na quarta, por volta das 23h.

Um novo júri deve ser marcado e ainda cabe recurso da decisão.

Caso Kiss: Justiça anula júri que condenou quatro réus por incêndio em boate

VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Comunicar erro
Tia carmen

Comentários

ascol