Da Rua do Arvoredo à Maria Degolada, exposição relembra lendas urbanas de Porto Alegre

Por Editor em 21/05/2022 às 09:10:23
Mostra "Patrimônio Imaterial: As Lendas Urbanas de Porto Alegre", em cartaz no Museu Joaquim Felizardo, resgata histórias recolhidas pela pesquisadora Marli Pereira com ilustrações de Mari Froner. Exposição "Patrimônio Imaterial: As Lendas Urbanas de Porto Alegre" conta histórias consideradas Patrimônio Cultural Imaterial da cidade

Mari Froner/Divulgação

Além de dados objetivos e passagens históricas, a memória de uma cidade é contada também por suas lendas. A partir deste sábado (21), às 18h, as lendas urbanas de Porto Alegre vão ser tema de uma exposição no Museu Joaquim Felizardo. Confira o serviço completo no final da matéria.

A mostra "Patrimônio Imaterial: As Lendas Urbanas de Porto Alegre" faz parte da programação da Noite dos Museus e marca também a reabertura do espaço cultural. Entre as histórias contadas em texto e ilustrações, estão as torres malditas da Igreja Nossa Senhora das Dores, as lágrimas de Obirici, os crimes da Rua do Arvoredo e a lenda da Maria Degolada - todas fruto de uma pesquisa feita por Marli Rejane d"Avila Pereira, com arte da ilustradora e arquiteta Mari Froner.

"As lendas são importantes porque, além de trazer fatos históricos de uma cidade, retratam um pouco o modo de vida, a relação das pessoas com a cidade, como foi a construção daquele local. Acho que é uma forma lúdica de entender aspectos importantes da história de uma cidade", diz Mari Froner.

Obra da ilustradora Mari Froner sobre a lenda da Maria Degolada

Reprodução/Mari Froner

A exposição parte de um estudo feito a partir de 2014 pela pesquisadora Marli Rejane d"Avila Pereira, que elaborou um inventário com o registro das lendas tradicionais de Porto Alegre. A mostra traz, ainda, objetos e fotografias do acervo do museu que remetem aos personagens da época e aos locais onde as histórias surgiram.

Noite dos Museus acontece neste sábado em Porto Alegre

Estarão expostas, por exemplo, cerâmicas indígenas provenientes dos primeiros moradores de Porto Alegre, roupas e acessórios usados no século 19, moedas que lembram aquelas encontrados na casa da rua do Arvoredo, além do processo original da Fábrica de Linguiça, que levou à condenação de José Ramos e Catarina Palse pelos famosos crimes da Rua do Arvoredo - a história conta que o casal matava pessoas e produzia linguiças de carne humana, que eram vendidas em um açougue.

Obra da ilustradora Mari Froner sobre a lenda dos crimes da Rua do Arvoredo

Reprodução/Mari Froner

"As histórias realmente existem, mas em cima delas se constrói um imaginário enorme. Meu papel é retratar a parte lúdica das lendas. Essas histórias são riquíssimas, têm muitas variações e se confundem com outras histórias da cidade", ressalta Mari.

A visitação à exposição vai até o dia 21 de dezembro e pode ser feita nas segundas-feiras, das 13h30 às 17h30, e, de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h30. A entrada é gratuita.

Patrimônio Imaterial: As Lendas Urbanas de Porto Alegre

Museu Joaquim Felizardo (Rua João Alfredo, 582)

Abertura no sábado (21), às 18h

Visitação às segundas, das 13h30 às 17h30, e de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h30. Até 21 de dezembro.

Obra da ilustradora Mari Froner sobre a lenda das lágrimas de Obirici

Reprodução/Mari Froner

VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Comunicar erro
Tia carmen

Comentários

ascol