Instituto Floresta

Queda nas doações coloca em risco funcionamento de entidade assistencial do RS

Por Editor em 09/06/2021 às 11:52:20
Educandário São João Batista presta atendimento gratuito para crianças e adolescentes de 180 famílias. Em setembro, local completa 82 anos de assistência à pessoas com deficiências múltiplas. Educandário São João Batista, em Porto Alegre.

Arquivo Pessoal

A queda na arrecadação de doações coloca em risco o funcionamento do Educandário São João Batista, em Porto Alegre. O local presta atendimento gratuito para crianças e adolescentes com deficiências múltiplas.

"As doações despencaram vertiginosamente. No início da pandemia, as doações eram bem maiores, a gente conseguiu se manter, mas vieram diminuindo muito", explica a presidente do local, Jandira Freire.

Atualmente, são 180 famílias beneficiadas pelas atividades promovidas pelo educandário. Entre elas, o pequeno Nícollas Brum, de 10 anos.

"O Nícollas tem Distrofia Muscular de Duchenne. É uma doença progressiva, e o tempo é nosso maior inimigo. Então, a questão do tratamento no Educandário é fundamental para a qualidade de vida dele, da questão muscular dele. Então, se não fosse essa instituição, o Nicollas não teria uma boa qualidade de vida", conta a mãe Angelita Brum.

Nícollas Brum é uma das crianças assistidas pelo educandário de Porto Alegre

Reprodução/RBS TV

Em setembro, o local completa 82 anos de serviços, e teme que a falta de dinheiro interrompa as atividades.

"Nosso risco é eternamente eminente. Nós caminhamos sempre pensando no próximo mês: Teremos dinheiro pra pagar nossos funcionários? Teremos dinheiro para pagar nossa luz? Teremos dinheiro para pagar nossa água?", lamenta Jandira.

O número de atendimentos caiu de 12 pra 5 mil no último ano. Os funcionários estão com redução de salário pela segunda vez e, ainda assim, as contas não fecham. Além disso, o movimento também caiu no brechó, e as doações de tampinhas, que geravam R$ 50 mil reais para a instituição, estão cada vez menores.

"A gente faz o melhor que a gente pode, mas a gente vê que vão além da nossa alçada. Dentro das nossas possibilidades, eu tenho certeza que cada um faz o melhor aqui dentro", afirma a fisioterapeuta Natália Brita dos Santos.

Segundo a instituição, são necessários cerca de R$ 100 mil mensalmente para manter as atividades, serviços prestados e funcionamento do local. As doações podem ser feitas por meio do site. Além da contribuição financeira, a doação de alimentos, roupas e tampinhas de garrafa pet também são bem-vindas.

VÍDEOS: veja mais notícias do RS
Comunicar erro
TV

Comentários

AMERICANAS