casa da linguiça
sheik
sheik
DESAPARECIDOS

Mãe procura por filha grávida que sumiu há sete anos em Três Passos

Ivone Ribeiro, 61 anos, guarda fotos de filha que desapareceu em julho de 2011

09/02/2020 12h57Atualizado há 2 semanas
Por: Redação
31

Ivone Ribeiro, 61 anos, guarda fotos de filha que desapareceu em julho de 2011.

Cleber Eduardo Rossetto / Especial.

 

Todos os dias Ivone Ribeiro, 61 anos, chora em silêncio pela filha Cintia Luana Ribeiro Moraes, a caçula que não sabe se perdeu para a vida ou para a morte. Por vezes, crê que a jovem, que hoje teria 22 anos, cruzará a porta de mãos dadas com Emily Vitória, a neta que não sabe se nasceu. Em outros momentos, perde a esperança. Conclui que a garota, desaparecida aos 14 anos, em Três Passos, no Noroeste, está morta. Há sete anos arrasta incertezas e cala o choro, por mera compaixão com os outros.

— Se pudesse, chorava dia e noite — confidencia.

A mãe de seis filhos acorda em desespero. Pensa ter ouvido a caçula, perde o sono e se agarra às fotografias dela. Luana, como era chamada, estava grávida de sete meses e meio. Naquele 13 de julho de 2011, fez pão antes de sair. A mãe tinha fraturado a clavícula. Às 18h30min, comia pão de queijo e iogurte – um desejo de grávida – na poltrona da sala, quando o celular tocou. Era o suposto pai do bebê. O homem, hoje com 34 anos, queria vê-la. Às 18h55min, a adolescente saiu de casa para o encontro em um mercado a cerca de cem metros da residência. “Mãe, volto em 20 minutos”, prometeu.

Da porta da moradia simples, Ivone acompanhou o trajeto da caçula. De blusa cinza, calça jeans e chinelos dourados, a adolescente saiu levando apenas o celular. Enquanto olhava Luana se afastar, entreteve-se com chamado de um neto. Perdeu a filha de vista e nunca mais a viu.— Esses 20 minutos estão demorando sete anos.

 

O enxoval da bebê, que nasceria em setembro, estava pronto. Nos primeiros meses, Ivone agarrou-se aos sapatinhos e roupinhas, como quem mantinha a esperança do retorno. Com o tempo, concluiu que era melhor doá-los. Ainda que Luana voltasse, a neta estaria crescida. Sete anos depois, não há certeza sobre nada. — Queria tanto que voltasse. Peço isso todos dias. Só espero que justiça seja feita, que descubram o que aconteceu com ela. Se está viva ou morta — diz a mãe. Luana morava com Ivone e um irmão, hoje com 24 anos. O pai havia falecido há nove meses, de câncer. Com a gravidez, a garota abandonou o colégio. Em letra cursiva, escrevia mensagens em uma agenda e pintava corações.

 — Era uma menina. Ia fazer 15 anos no dia 27 de julho. Não queria festinha. Queria levar a mãe para passear. É uma tristeza sem fim — conta a irmã Loreni de Moraes, 39 anos.

Após o sumiço, a família correu de um lado para o outro em busca de notícias. Contratou até investigação particular para descobrir se a bebê havia nascido. Em meio ao desespero, lida ainda com boatos. Há quem jure que a jovem foi morta e jogada no Rio Uruguai. Outros estão convictos de que vive na Argentina. De certezas, nada. Por quatro anos, três delegados investigaram o caso, mas o inquérito foi concluído sem indiciamento. — É um sentimento que não tem explicação. Quando a pessoa morre, a gente sabe que não vai voltar. Quando desaparece, todo dia a gente sente. Pensa se está viva, se está morta, se está passando fome, frio, necessidade — descreve Loreni. 

A família de Luana é uma entre as milhares que registram todos anos o desaparecimento de parentes no Rio Grande do Sul. Entre janeiro de 2015 e julho de 2018, 34,3 mil casos foram informados à Polícia Civil no Estado — em 2019, foram mais de 5 mil. No mesmo período, foram cerca de 30 mil localizações.

#poa24hs

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.